Em que situações específicas a PSICOTERAPIA pode te ajudar?


--> SINTOMAS FÍSICOS SEM CAUSA MÉDICA


Sudorese

Taquicardia

Cansaço Físico

Falta de energia

Mau funcionamento Intestinal

Insônia

Zumbidos

Problemas de pele


- Dores:

No estômago

Na cabeça

Musculares

No peito

Na coluna


Estes são exemplos de sintomas que podem ser desencadeados por questões emocionais (importante terem sido descartadas outras possibilidades de diagnósticos orgânicos).


--> COMPORTAMENTOS OU PENSAMENTOS AUTODESTRUTIVOS


Cortar-se

Cutucar a pele

Arrancar fios de cabelo ou sobrancelha

Ideias suicidas

Comportamentos frequentes de "autossabotagem"

Atitudes que coloquem a vida ou a saúde em risco


--> DIAGNÓSTICOS DE TRANSTORNO PSICOLÓGICO

Diagnósticos médicos que utilizem ou não medicamentos como parte do tratamento, necessitam de atendimento psicológico para obter resultados mais efetivos. Podem e devem ser acompanhados casos de:

Depressão

Ansiedade

Estresse Pós Traumático

Fobias

Síndrome do Pânico

entre outros


--> ELABORAÇÃO DE TRAUMAS/PERDAS

Luto

Doença

Acidente

Separação

Perda de emprego

Violência física ou psicológica

Catástrofes ambientais

Guerras


--> EXPERIÊNCIAS DE OPRESSÃO

Aquelas cuja raiz se encontra em questões estruturais da sociedade e que possam estar causando sofrimento em decorrência de qualquer tipo de violência relacionada a:

Gênero, suas expressões e práticas sexuais

Raça

Classe

Idade

Deficiência Física ou Mental

Condição Psicológica

Características Corporais

Nacionalidade

Crenças Religiosas

Pode envolver assédio físico/moral, violência doméstica, relacionamentos abusivos, discriminação em locais públicos ou privados, bullying, dificuldade de acesso a locais e serviços, entre outros.


--> DEPENDÊNCIAS/VÍCIOS

Quando são utilizados como válvula de escape e de maneira compulsiva:

Drogas ilícitas

Álcool

Tabaco

Remédios

Trabalho

Compras

Sexo (masturbação/com parceiro)

Comida

Jogos

Redes Sociais


--> QUESTÕES RELACIONADAS À ALIMENTAÇÃO E À IMAGEM CORPORAL

Anorexia

Bulimia

Compulsão Alimentar

Vigorexia

Ortorexia

E outros comportamentos que necessitam de acompanhamento multidisciplinar com psicóloga(o)s, psiquiatras e nutricionistas.


--> DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM

Organização precária

Concentração muito comprometida

Déficit de atenção

Hiperatividade

Transtornos do aprender


--> TRANSFORMAÇÕES IMPACTANTES NA VIDA

Transição de emprego/profissão/estudos ou aposentadoria

Gravidez/Adoção/Barriga de Aluguel/FIV/etc

Pós nascimento & Parentalidade

Mudança de cidade/estado/país

Casamento/Morar junto ou separado

Cirurgias: redesignação sexual, reparadora e outras

Sair da casa dos pais/Filha(o)s sairem de casa


--> QUESTÕES DE AUTOESTIMA

Autorrespeito insuficiente

Distorção da autoimagem

Muito autojulgamento e pouca autoaceitação

Senso escasso de amor-próprio

Insegurança

"Autossabotagem"

Perfeccionismo

Sensação de inadequação

Necessidade constante de validação alheia

Inabilidade para tomada de decisões

Dificuldade para se posicionar na vida

Incapacidade de sustentar um comportamento assertivo


--> DIFICULDADES PARA SE MANTER FUNCIONAL NA VIDA

Falta de energia para o trabalho

Desinteresse na interação com as pessoas

Dificuldades para manter o autocuidado: higiene pessoal, sono, lazer, descanso, etc.

Não conseguir dar conta da rotina cotidiana

Desorganização da vida financeira


--> DESAFIOS CONJUGAIS & FAMILIARES

Planejamento da vida em comum

Instauração e Quebra de acordos/Infidelidade

Decisões sobre ter ou não filhos

Questões de fertilidade, gravidez/adoção

Conflitos na educação e no relacionamento com os filhos

Descompasso na vida sexual

Distribuição de tarefas domésticas

Desempenho de papéis conjugais e familiares

Resolução de conflitos

Habilidades de comunicação

Relações de codependência

Violência doméstica

Outros tipos de dificuldades nas relações familiares


--> DIFICULDADES DE GESTÃO EMOCIONAL

- Raiva, impaciência ou irritação frequentes;

- Comportamentos impulsivos, muito defensivos e reativos;

- Alterações constantes no humor: desânimo, raiva, euforia, medo, tristeza ou choro recorrente;

- Incapacidade para reconhecer e expressar as próprias emoções;

- Pensamentos e emoções desconfortáveis constantes, sempre esperando pelo pior;

- Pensamentos invasivos;

- Alta intolerância à frustração;

- Dificuldades para se relacionar com as pessoas.


--> DESCONEXÃO DE SI MESMA(O)

- Sensação de não pertencimento ou não valorização na sociedade/grupo familiar, de amigos ou do trabalho;

- Tristeza, apatia, procrastinação, desinteresse pela vida e pelas coisas que gosta de fazer;

- Percepção de que suas atividades e escolhas não têm sentido;

- Dificuldade para falar sobre si mesma(o);

- Não conseguir identificar gostos, sonhos, prioridades e objetivos na vida;

- Interpretar que não está conseguindo enfrentar os desafios do cotidiano e já fez tudo o que poderia para encontrar soluções para sua vida;

- Sentir-se presa(o) ao passado, não se permitir fazer planos;

- Carregar tristezas, culpas, sentimento de vergonha;

- Ruminar experiências e feridas emocionais que lhe impedem de seguir em frente;

- Dificuldade para se apropriar de suas qualidades e competências;

- Percepção distorcida do impacto das próprias ações no mundo e na vida das pessoas;

- Autonomia comprometida;

- Culpar os outros e não se autorresponsabilizar pela própria vida;

- Falta de autoconhecimento sobre si e seu modo de funcionar no mundo;

- Comportamentos ou manias que prejudicam a si mesma(o) ou às outras pessoas.


--> SUGESTÃO DE PESSOAS DO SEU CONVÍVIO

Quando pessoas nas quais você confia muito dizem que você precisa de ajuda profissional. Pode acontecer de estarmos tão mergulhada(o)s na nossa própria vida que perdemos alguns sinais importantes que outras pessoas que nos conhecem bem podem enxergar.

Passamos por várias destas situações em diferentes momentos da nossa história. Não é preciso ter um transtorno mental para lidar com estas questões. Pelo contrário: muitas são experiências normais da vida e pelas quais passamos em nosso desenvolvimento.


A questão é: se lidar com elas está te gerando sofrimento prolongado e está comprometendo seu cotidiano, seu planos, seus sonhos e suas relações é melhor olhar para isso com atenção e procurar um profissional que possa te apoiar no processo de elaboração do seu sofrimento até que você se reorganize, se fortaleça e desenvolva novas formas de enfrentar contextos desafiadores futuramente.

Por que esperar as consequências negativas se apresentarem para começar a cuidar da sua saúde emocional?